O WhatsApp ganhou um novo recurso que permite que mensagens de áudio sejam gravadas sem a necessidade de ficar pressionando a tela durante a gravação. O recurso é especialmente útil para o caso de recados longos. A função está disponível apenas para a versão do aplicativo para iPhone.

Se a trava não é acionada, a gravação da mensagem de áudio acontece apenas enquanto o botão de gravar (microfone) permanece pressionado. Ao soltá-lo, o áudio é enviado automaticamente. Veja como usar a função de “trava”:

1 – Para “travar” a gravação, na tela de mensagem, é preciso pressionar e segurar o botão de áudio (microfone) por cerca de 1 segundo. A gravação é iniciada. Em seguida, aparecerá um cadeado na tela, é preciso arrastar o botão em direção a ele.

2- Para enviar a mensagem gravada com trava, deve-se apertar a seta azul. O cancelamento pode ser feito usando o botão “cancelar”

Procurado por VEJA, o WhatsApp disse que não confirma a atualização, nem comenta sobre a possibilidade da função ser disponibilizada para Android. A reportagem conseguiu atualizar um dispositivo, por meio da loja oficial de aplicativos (App Store) e usar o recurso.

 

Fonte: MSN

SÃO PAULO - O botão para gravação e envio de áudios no WhatsApp deve passar por uma mudança em breve. Segundo o WABetaInfo, a mudança na ferramenta deve permitir que o usuário envie áudios sem precisar segurar um botão durante todo o tempo de gravação. 

Com a atualização, a gravação será iniciada com um toque e finalizada com outro toque. Durante todo o tempo de gravação será mostrado um slide que permitirá o cancelamento do envio a qualquer momento. A tela do celular ficará bloqueada durante o período de gravação.

O novo recurso deve estar em atualizações disponíveis nos próximos meses.

 

Fonte: MSN

O WhatsApp libera a partir de hoje o recurso que permite ao usuário apagar mensagens já enviadas. A função estava sendo testada desde março deste ano.

Com a novidade, é possível apagar a mensagem antes ou mesmo depois de ela ter sido visualizada. Mas o usuário tem apenas sete minutos para decidir deletar a mensagem. Depois desse período não será mais possível apagar.

Para usar o recurso é preciso clicar na mensagem e selecionar o ícone de lixeira, na parte superior da tela. Em seguida, uma janela será aberta com as opções “apagar para mim” ou “apagar para todos”. Assim que deletar a mensagem, o WhatsApp sinaliza aos membros da conversa que o conteúdo foi apagado.

A funcionalidade já está disponível para usuários do iOS, Android, Windows Phone e Web WhatsApp. Para que o recurso possa ser utilizado, todos os membros da conversa devem ter a última versão do aplicativo de mensagens.

 

Fonte: Veja

 

São Paulo – O WhatsApp está testando um novo recurso para deixar você ainda mais tempo dentro do seu aplicativo.

De acordo com o WABetaInfo, que avalia versões prévias do app, logo você poderá ver vídeos do YouTube enviados por seus amigos sem precisar sair da conversa.

O vídeo poderá ser visto em uma janela flutuante para que você continue a conversa com os seus contatos ou então em tela cheia.

O recurso apareceu na versão 2.17.40 do WhatsApp para iPhones. A novidade, quando liberada, deve chegar ao Android também.

A reprodução de vídeos do YouTube no app no iOS deve funcionar apenas em iPhones 6 ou superiores.

Recentemente, o WhatsApp lançou um recurso que é um verdadeiro golpe no e-mail tradicional.

 

Fonte: MSN

Não é possível dizer que este “apagão” definitivo pegará de surpresa quem for afetado, já que o WhatsApp tinha anunciado, no ano passado, que deixaria de funcionar em vários celulares antigos, mas que, no entanto, continuam muito populares entre alguns usuários. Esse grupo de indivíduos irredutíveis que se negam a jogar fora um aparelho que continua funcionando bem terá agora que decidir entre comprar um smartphone novo ou se isolar por completo e desaparecer de uma das plataformas de troca de mensagens mais utilizadas do país. Já é definitivo: não haverá mais prazo de carência e, em 30 de junho, o WhatsApp deixará de funcionar nos celulares que mencionamos a seguir.

Apesar de a lista não ser ampla, ela atinge um bom número de aparelhos que, em sua época, foram emblemáticos, e que muitas pessoas continuam usando – segundo o WhatsApp, eles representam 0,5% dos clientes do aplicativo. Assim, quem tiver um BlackBerry – tanto o BlackBerry OS quanto o BlackBerry 10 – pode ir se despedindo dos grupos dos quais participa ou terá que optar por comprar um novo aparelho. Os fãs da marca canadense deverão escolher alguns dos últimos modelos que funcionam com o Android, se quiserem seguir fiéis a ela. O mesmo acontecerá com os donos dos Nokias com as plataformas S40 e S60. As duas estão presentes em uma extensa gama de celulares, muitos dos quais continuam completamente operativos.

O grande problema desta data final é que o WhatsApp não só não permitirá baixar o aplicativo nesses modelos, como também deixará de oferecer o serviço aos aparelhos mencionados. A única alternativa para aqueles que quiserem se manter conectados a partir de 1º de julho é comprar um celular mais moderno e tentar resgatar as conversas (nas duas plataformas, isso pode ser feito exportando-as por e-mail e depois importando-as para o novo modelo).

 

Fonte: MSN

O WhatsApp, aplicativo de mensagens amplamente utilizado no Brasil, ficou fora do ar por alguns minutos no final da tarde desta quarta-feira. O aplicativo continuava instável por volta das 18h.

A falha fez com que o WhatsApp não conseguisse se conectar à rede, seja via pacote de dados ou por uma conexão Wi-Fi. Assim, era impossível o envio ou recebimento de qualquer mensagem.

O problema atingiu outros países além do Brasil. O site Down Detector, que recebe denúncias de usuários sobre produtos, registrou reclamações oriundas de países como a Argentina, Chile, Alemanha, México e EUA.

Rapidamente, o tópico ‘O WhatsApp’  se transformou em um dos assuntos mais comentados nas redes sociais. Alguns usuários se queixaram da falta que o aplicativo faz; outros preferiram apelar ao humor para reclamar do problema.

 

Fonte: Veja

A atualização mais recente do WhatsApp deve permitir que os usuários tornem sua localização atual visível para os integrantes de um bate-papo em grupo, permitindo que eles se encontrem mais facilmente. As informações foram publicadas pelo site WABetaInfo, que faz testes com versões de aplicativos que ainda não foram lançados oficialmente. Segundo o site, a nova ferramenta será chamada de Live Location Tracking (Rastreamento de Localização Ao Vivo, na sigla em inglês).

Dentre as opções disponíveis de rastreamento de local em tempo real, haverá opções de deixar o serviço ligado por um minuto, dois minutos, cinco minutos ou por tempo ilimitado.

Hoje, já é possível compartilhar um local específico com seus contatos pelo aplicativo, mas o acompanhamento em tempo real representaria um grande passo, de acordo com reportagem do portal britânico The Independent. Segundo o WABetaInfo, o novo recurso chegará aos aparelhos desabilitado, cabendo ao usuário ativá-lo ou não.

A atualização fará parte da versão 2.17.3.28 para usuários do sistema iOS – aquele usado no iPhone – enquanto a versão mais recente disponivel é a 2.17.2. Já para usuários Android, a nova versão é a 2.16.399.

 

Fonte: Veja

Com a difusão dos smartphones no país e a necessidade de reduzir custos nas campanhas, que não contam mais com financiamento empresarial, o serviço de mensagens instantâneas WhatsApp é a principal aposta do marketing eleitoral na disputa deste ano. Se por um lado, o aplicativo pode auxiliar no contato entre candidatos e eleitores, especialmente em regiões mais periféricas; do outro, é também motivo de preocupação por sua alta capacidade de disseminar boatos e ataques pessoais. Quando o assunto é eleição, o WhatsApp pode se tornar "terra sem lei".

- É uma forma de comunicação ágil, não é regulamentada, e deve acabar sendo usada para atacar adversários. Não há como identificar o autor da mensagem, e a informação se propaga rapidamente - alerta Felipe Borba, cientista político da UniRio.

Segundo o procurador eleitoral regional do Rio, Sidney Madruga, não há previsão legal específica para punir quem envia informações falsas e caluniosas pelo aplicativo, durante as eleições. O procurador discorda da decisão do TSE de não equiparar o serviço ao telemarketing e ao envio de SMS, proibidos nas campanhas. No caso do WhatsApp, aplica-se a legislação referente à internet. A propaganda não pode ser feita por pessoa jurídica, por entidade da administração pública, nem envolver a comercialização de cadastros telefônicos e de endereços. O usuário também precisa ter a opção de se descadastrar da lista de contatos.

- O ofendido é que vai ter que fazer analogia do WhatsApp com a internet. Identificar quem começou a postar e qual é o tipo de direito de resposta a ser aplicado, isso pode ser requerido. Agora, como fazer? Não sei dizer, não há previsão. O perigo de se liberar a propaganda por esses mecanismos de mensagem é esse - critica Madruga, que lembra a dificuldade de se acessar dados dos usuários da rede social mesmo com determinação judicial.

O procurador regional eleitoral de São Paulo Luiz Carlos dos Santos Gonçalves também reconhece que a legislação não acompanha o ritmo de evolução da tecnologia, mas, para ele, é possível responsabilizar quem compartilha o conteúdo:

- Quem compartilhar essas informações é responsável. No WhatsApp, a comunicação é direta, se sabe de onde vem o conteúdo.

Para o professor da FGV Rio Michael Mohallem, os aspectos positivos das novas tecnologias se sobrepõem aos abusos, já que permitem a comunicação constante com os candidatos:

- Há desconforto, mas também benefício à democracia.

O consultor político Marcelo Weiss avalia que o ideal é focar no eleitor que já está disposto a escutar a mensagem:

- O político precisa cultivar pessoas que estejam abertas a ouvi-lo. Funciona melhor como ferramenta de militância.

Dos candidatos à prefeitura do Rio, Indio da Costa (PSD), Carlos Osorio (PSDB), Flavio Bolsonaro (PSC), Marcelo Crivella (PRB) e Marcelo Freixo (PSOL) confirmaram ao GLOBO que devem usar o aplicativo durante a campanha.

 

Fonte: MSN

O STF (Supremo Tribunal Federal) derrubou a decisão da juíza Daniela Barbosa de Souza, da 2ª Vara Criminal da Comarca de Duque de Caxias (RJ), que determinou o bloqueio do WhatsApp no Brasil.

Depois de mais de 24 horas sem funcionar plenamente no Brasil por conta de uma polêmica determinação judicial, o WhatsApp voltou a ser liberado no território nacional graças a um desembargador sergipano.

Receba nossa Newsletter


Para assinar nossa newsletter e você receber informações sobre as Promoções e novidades na Rádio RCN, basta digitar seu e-mail abaixo e pressionar o botão "Enter" do teclado.

 55 79 9 8141-3985

001artis.jpg